05/12/2019

Mesmo após atentado a enfermeiro e pedido do Coren, unidades de saúde da Capital não terão reforço na segurança

Medidas extras de segurança foram tomadas apenas no Caps onde atentado a enfermeiro ocorreu, e não em todas as unidades

CRS Aero Rancho e Caps III Aero Rancho ficam no mesmo complexo – Foto: Google Maps

O atentado contra o enfermeiro Dr. Ubirajara Viana Ferreira, ocorrido em setembro deste ano no Centro de Atendimento Psicossocial (Caps) onde ele trabalha em Campo Grande (MS), deixou os profissionais da saúde em estado de alerta pela falta de segurança nas unidades públicas de saúde da Capital. Em defesa desses trabalhadores, em especial os da Enfermagem, o Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul (Coren-MS) cobrou da prefeitura mais medidas de segurança nos locais de trabalho dos servidores da Saúde.

Na resposta, em ofício datado de novembro, a Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande (Sesau) informa ao Conselho que a Gerência de Saúde do Servidor já coloca o setor de segurança do trabalho à disposição nas unidades de saúde para avaliação e orientação técnica para melhoria da segurança no ambiente de trabalho de seus servidores. Nenhum reforço ou nova medida foram previstos, no entanto.

Para o presidente do Coren-MS, Dr. Sebastião Junior Henrique Duarte, a necessidade de medidas de segurança mais efetivas é urgente. “Embora seja uma fatalidade o que aconteceu com o Dr. Ubirajara, houve um facilitador que é a ausência de agentes de segurança nas unidades. Os profissionais da Enfermagem atuam em situações extremas, lidam com sobrecarga de trabalho e ainda têm que ficar expostos à violência. Isso não pode continuar”, disse. Ele afirmou que o Conselho continuará cobrando a presença de efetivo de segurança em todas as unidades de saúde.

Dr. Sebastião e o Dr. Alex, representantes do Coren-MS, em visita ao Caps Aero Rancho um dia após o atentado – Foto: Ascom/Coren-MS

Medidas de segurança no Caps – Um dia após o atentado, o presidente e o chefe do setor de fiscalização do Coren-MS, Dr. Alex Souza de Oliveira, estiveram no Caps para apurar os fatos, ouvir sobre as necessidades da equipe de Enfermagem e orientar a respeito de situações como a que ocorreu. A gerência do local adotou medidas direcionadas à ampliação da segurança reparação dos impactos psicológicos dos demais servidores, semanas depois. Algumas delas são:

– Uso de detector de metais;

– Restrição da entrada a uma única porta (antes eram três), para controlar o fluxo de pacientes.

– Readequação de salas, consultórios e enfermarias;

– Atendimento individual para os profissionais com um psicólogo;

– Remanejamento de enfermeiros para supervisionar a equipe de enfermagem e assistir aos pacientes abrigados;

– Realização de capacitação para toda a equipe técnica de manejo técnico em situações-limite.