05/02/2019

Falta de tempo para descanso e lazer de profissionais preocupa presidente do Coren-MS

Durante entrevista, o representante da autarquia comentou também sobre a situação da Santa Casa de Corumbá

No dia 30 de janeiro, o presidente do Coren-MS, Dr. Sebastião Junior Henrique Duarte, esteve na Rádio Difusora FM em Corumbá, para promover o Seminário “Sofrimento mental e organização do trabalho em enfermagem” e explicar os motivos que tem levado tantos profissionais de enfermagem ao adoecimento mental.

De acordo com o presidente do Coren-MS, a saúde mental do profissional de enfermagem é imprescindível para a sociedade, pois este é um fator que reflete no atendimento qualificado para a população. Porém, para o representante da autarquia, este quesito não tem sido devidamente reconhecido. “Os profissionais da categoria lidam com cargas horárias extensas, salários pouco atrativos e necessidade de estarem em mais de um emprego. Não tem horário para lazer, vida social e vida familiar”, lamentou.

O representante do Conselho explica que os momentos de lazer e descanso podem minimizar a possibilidade de erros por parte dos profissionais. “As pessoas que trabalham na área da enfermagem são os olhos de quem não enxerga e as pernas de quem não anda. Por isso, os erros acabam sendo pouco aceitáveis. Quando o funcionário está cansado e estressado, a chance de erro é muito maior”, explicou.

Além destes fatores, Sebastião Duarte explica que a profissão apresenta algumas especificidades, que devem ser consideradas. “O profissional de enfermagem vivencia sofrimento, dor e muitas vezes mortes. Nessas situações, ficam sensíveis ao que o paciente está passando e absorvem boa parte dessa energia. Juntando estes aspectos à falta de políticas públicas, aparece o adoecimento emocional”, relatou.

Sebastião Duarte explicou também os problemas que as pessoas da categoria podem ter com a aposentadoria. “Na enfermagem, o indivíduo não pode se aposentar e continuar trabalhando. Muitas vezes a aposentadoria é até precoce, porque o profissional que está afastado pelo INSS, por exemplo, pode acabar sendo aposentado de forma parcial. Temos então um grande problema, pois o salário já não é atrativo e a pessoa não pode mais trabalhar”.

O presidente do Coren-MS alertou ainda para os riscos na integridade física do profissional. “O profissional de enfermagem é linha de frente, é ele que geralmente faz o primeiro atendimento às pessoas. Nessas situações, não é incomum os profissionais sofrerem agressões verbais e até mesmo físicas”, afirmou.

Santa Casa de Corumbá

Durante a entrevista, o locutor Pedro Paulo questionou o presidente do Coren-MS acerca da situação da enfermagem na região do Pantanal. Segundo o representante do Conselho, estima-se que existam aproximadamente 2 mil profissionais da categoria na região.

De acordo com Sebastião Duarte, o Coren-MS realizou fiscalização em 100% dos estabelecimentos de saúde de Corumbá e Ladário. Por meio deste trabalho do Conselho, foi constatado déficit de profissionais na Santa Casa de Corumbá. “Existe um déficit no número de funcionários da Santa Casa de Corumbá e trata-se de algo muito grave, pois a maior parte dos pacientes estão deitados e dependem dos cuidados dos profissionais de enfermagem”, alertou.

 





  • BannerLateral/e-dimensionamento
  • BannerLateralAnjosEnfermagem
  • banner_anaiss1-e1349203955613
  • BannerLateralMunean
  • vagas enfermagem