17/11/2021

Profissional referência em punção intraóssea treina região de Campo Grande

Quanto mais tecnologias para salvar vidas em situações de emergência, melhor. Uma delas, o uso de dispositivo para punção intraóssea,

Rose Abelha mostra local possível para punção intraóssea na perna

Quanto mais tecnologias para salvar vidas em situações de emergência, melhor. Uma delas, o uso de dispositivo para punção intraóssea, foi apresentada em treinamento gratuito direcionado a enfermeiros e enfermeiras de Campo Grande (MS) e municípios da região nesta quarta-feira (17).

Com o apoio do Coren-MS, a enfermeira Rose Abelha veio de Limeira (SP) para ensinar o procedimento aos profissionais de saúde. Ela é referência no Brasil por, desde 2007, difundir o dispositivo intraósseo como via rápida e eficiente para administrar soro ou medicações.

“É comum associarem a punção intraóssea ao atendimento pediátrico, porém não se restringe a isso. Ela é alternativa se o acesso venoso não for bem sucedido ou inviável tanto em crianças quanto adultos em estado grave de saúde”, explicou Rose.

Conselheiros deram boas-vindas aos participantes – Fotos: Ascom/Coren-MS

O presidente do Coren-MS, Dr. Sebastião Duarte, afirma que a oportunidade ajuda a habilitar enfermeiros para oferecer assistência segura à sociedade. A prioridade, neste caso, foram os enfermeiros da rede de urgência. “Outras iniciativas estão previstas para habilitar e qualificar importantes recursos humanos para a saúde”, ele adiantou.

Participação foi limitada a 25 enfermeiros por turno

Participaram cerca de 50 enfermeiros que atuam como professores em universidades da Capital e em instituições de saúde como Santa Casa de Campo Grande e Corumbá; Hospital Regional de Mato Grosso do Sul; Hospital Municipal de Coxim; Samu Aquidauana, Camapuã e Coxim; e CCR MSVia.

Ministrante trouxe dispositivos para demonstração

Disponibilidade – A enfermeira do Samu de Camapuã (MS), Samara Fernandes, avaliou o curso como excelente, e espera poder realizar o acesso intraósseo em breve. “Mesmo ainda não disponível na instituição em que eu trabalho, acredito que em um futuro próximo será utilizado em todo lugar. Nós precisamos nos atualizar e nos preparar para usar essa tecnologia e, assim, ofertar atendimento cada vez melhor aos pacientes”, relatou.

Os dispositivos de acesso intraósseo são agulhados e automáticos, e precisam ser disparados pelo profissional que está manuseando. Eles ainda não estão disponíveis em larga escala nas instituições de saúde.

Dourados – Nesta quinta-feira (18), o mesmo treinamento será realizado em Dourados (MS). Mais 50 enfermeiros da cidade e de municípios do entorno participarão.