24/03/2020

Coronavírus: Conselhos Profissionais de Saúde de MS elaboram plano de ação

Pedido foram encaminhados a órgãos oficiais nesta segunda-feira (23)

Três Conselhos Profissionais de Saúde de Mato Grosso do Sul – Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Farmácia e Enfermagem – elaboraram em conjunto um plano de ações necessárias para o enfrentamento à pandemia do Covid-19 (novo Coronavírus) que envolve participação de órgãos públicos, empresários e Forças Armadas. O documento foi encaminhado ao Ministério da Saúde, Governo de Mato Grosso do Sul, Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul e ao Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (COSEMS) nesta segunda-feira (23).

Dentre as medidas de enfrentamento solicitadas pelas entidades, destacam-se: compra de equipamentos de ventilação mecânica e demais materiais e insumos necessários para garantia do suporte respiratório mecânico; vacinação em casa a fim de evitar aglomeração e exposição dos grupos de riscos; que a rede hoteleira abrigue profissionais que deverão cumprir a quarentena evitando o contágio aos familiares; garantia de cobertura fisioterapêutica nas 24 horas, principalmente na assistência à saúde nas UTIs, em todos os hospitais do estado; apoio das Forças Amadas para prestar a assistência à saúde, com a coleta de sangue para testes, por exemplo.

O presidente do Conselho Regional de Enfermagem (Coren-MS), Dr. Sebastião Junior Henrique Duarte, ressalta que a maior preocupação no momento é a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os profissionais. “Vamos pedir a produção de álcool em gel em grande escala, compra de máscaras e luvas, e que toda farmácia de manipulação seja convocada a produzir materiais e medicamentos que possam servir a pacientes infectados. Também sugerimos que empresas que confeccionam roupas ajudem na produção de EPIs”.

O presidente do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (CREFITO 13), Dr. Renato Silva Nacer, alerta para a necessidade de ampliação da assistência fisioterapêutica nos hospitais. “O fisioterapeuta é o profissional que vai garantir a liberação mais rápida e segura dos pacientes dos leitos, aumentando, consequentemente, o número de vagas disponíveis. Existem estudos que mostram que a assistência fisioterapêutica nas 24 horas do dia pode reduzir em até 40% o tempo de permanência do paciente internado na Unidade de Terapia Intensiva, além de propiciar economia de recursos financeiros que seriam usados na compra de antibióticos e outros medicamentos de alto custo”, diz Nacer.

Foram solicitados, ainda, no documento: garantia do quantitativo de profissionais para o atendimento dos prováveis casos confirmados; a colaboração de pessoal de manutenção de equipamentos, principalmente os de saúde; que as empresas do ramo de alimentação sejam convocadas a fornecer alimentação para os profissionais e pacientes internados; reativação dos hemonúcleos; entre outros.

Fonte: Ascom/Coren-MS, com informações do CREFITO 13