13/08/2020

Coren-MS intervém e Município de Dourados efetiva 13 enfermeiros durante pandemia

Convocações feitas não equacionam déficit maior, mas já vão melhorar atendimento

Nesta quinta-feira (13), a prefeitura de Dourados nomeou 13 novos enfermeiros para atuar no Município, sendo 11 deles designados para a atenção básica e dois para a atenção especializada. A contratação se deu após o Coren-MS pedir, por meio de Ação Civil Pública, que o déficit no quadro de profissionais da Enfermagem seja solucionado.

Por determinação judicial, audiência de conciliação virtual foi realizada na última sexta-feira (7/8), tendo o Município de Dourados se comprometido a fazer parte das contratações solicitadas inicialmente pelo Conselho.

As contratações vêm em boa hora, pois a cidade é uma das que mais concentra casos de Covid-19 em Mato Grosso do Sul e precisa de mais profissionais para atender pacientes internados em razão dessa e de outras doenças. No entanto, o número de profissionais nomeados apenas reduz o déficit constatado por fiscalizações do Conselho. “Ainda teremos carência de enfermeiros em unidades públicas de saúde da cidade. Sabemos que o Município tem condições de realizar mais contratações, e continuaremos cobrando isso”, afirma o presidente do Coren-MS, Dr. Sebastião Junior Henrique Duarte.

Técnicos de enfermagem – O Coren-MS pede também a convocação de mais 115 técnicos de enfermagem. Para isso, a prefeitura deverá abrir novo concurso e nomear os selecionados. Ainda não há consenso entre as partes sobre a convocação dessa categoria profissional essencial para o cuidado da saúde da população de Dourados e região.

A Ação Civil Pública movida pelo Coren-MS pode ser consultada no site da Justiça Federal da 3ª Região, pelo nº 5000076-86.2019.4.03.6002.

Outras 20 contratações em 2019 – O déficit na Enfermagem da rede pública de saúde de Dourados é questão que o Coren-MS intervém há ainda mais tempo. Em outubro do ano passado, o Conselho conseguiu que 20 enfermeiros fossem convocados para atuarem no Hospital da Vida e em uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA).

O número total de convocações solicitadas à época foi de 42. O Município, porém, realizou menos do que a metade do que era necessário, de acordo com relatórios de fiscalização apresentados à Justiça. Leia mais clicando aqui.