24/03/2021

Coren-MS alerta para falta de medicamentos e pede soluções imediatas para conter COVID-19

Além da falta de leitos de UTI, municípios de Mato Grosso do Sul agora enfrentam a falta de medicamentos para

Além da falta de leitos de UTI, municípios de Mato Grosso do Sul agora enfrentam a falta de medicamentos para sedação de pacientes intubados por complicações da COVID-19.

O Coren-MS tem recebido vários relatos de escassez de sedativos e tem tentado auxiliar, obtendo empréstimos ou doações de clínicas. “Sugerimos que se registre como empréstimo a destinação dos medicamentos para os hospitais, pois é possível fazer um acordo com a instituição de saúde para receber de volta e reabastecer o estoque da clínica”, explica o presidente do Coren-MS, Dr. Sebastião Duarte.

Preocupado não somente com a falta de medicamentos, mas também de leitos e profissionais de saúde, o Coren-MS colabora com o Ministério Público Estadual (MPMS) apontando demandas das instituições de saúde do estado e sugerindo o que pode ser feito pelos gestores para mitigar os impactos do enfrentamento à COVID-19.

Também ao MPMS, o Conselho encaminhou pedido de reabertura do Hospital da Criança e o Hospital Sírio-Libanês, além de habilitação para internação no Hospital São Lucas. “São unidades que podem ajudar a desafogar as outras instituições da capital e atender pacientes do interior do estado, sem esquecer que precisamos de profissionais para trabalharem nelas”, ressaltou o Dr. Sebastião.

Desde o início da pandemia, o Coren trabalha junto ao MPMS, aos secretários de Saúde e aos gestores da rede privada apontando a necessidade de contratação de profissionais da enfermagem e da compra de insumos essenciais para a assistência aos pacientes com a doença. Além disso, já foram realizadas mais de 500 fiscalizações remotas e presenciais em instituições de saúde para garantir a segurança dos profissionais da área e da população que busca o serviço de saúde.

O Conselho reconhece o quanto outras instituições, como a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar, também têm contribuído com a missão de transportar pacientes e fazer medicamentos e vacinas chegarem até todos os municípios.

O que acontece se o paciente intubado acordar da sedação? –  A enfermeira e colaboradora do Coren-MS, Suzi Strapason, explica por que os medicamentos sedativos são fundamentais para que a intubação do paciente cumpra sua função.

“A sedação tem como objetivo melhorar a sincronia do paciente com a ventilação mecânica, fazendo com que ele responda melhor a ela. Também ajuda no controle da dor, angústia, agitação e consequentemente evita a perda de dispositivos, incluindo a extubação acidental antes do paciente apresentar melhora infecção pulmonar. As chances de sobrevida ficam muito reduzidas e ele pode vir a óbito sem os medicamentos”, ela resume.

Neste momento da pandemia, não há leitos disponíveis para internação segundo a boletim da Secretaria de Estado de Saúde (SES/MS).

Soluções imediatas – O Coren-MS acredita que a situação atual estava anunciada, já que diversos especialistas a anteciparam. Agora, pede que gestores busquem organizar melhor as redes de saúde, prevendo de forma estratégica os recursos necessários para enfrentar a pandemia a curto, médio e longo prazo.

O presidente do Coren-MS opina favoravelmente à disponibilização de primeiras doses da vacina contra a COVID-19 para o maior número de pessoas. “Nos espelhando em países com experiências exitosas, podemos vacinar a maior parte da população sem reserva de segundas doses, sendo que a primeira já pode garantir imunidade, e evitar o desenvolvimento da forma grave da doença”, afirma o Dr. Sebastião.

O Conselho segue apoiando medidas restritivas para promover o isolamento social, o uso de máscaras por todos e as campanhas educativas pela higienização frequente das mãos.